Carboidrato no jantar: pode ou não pode?

Comer massa à noite não é sinônimo de quilos a mais – e pode beneficiar quem se exercita pela manhã

Entre todas as lendas criadas em torno do carboidrato, a mais difundida e surreal, na minha opinião, é a que diz que após as seis horas da tarde não se deve mais comer nenhum alimento que forneça esse nutriente.

As explicações são ainda mais incríveis: após esse horário, o metabolismo fica mais lento e é mais difícil fazer a digestão do carboidrato, que acaba sendo estocado e virando gordura.

Vários estudos já foram feitos sobre essa teoria. Todos provaram que não importa a hora em que se come, nem mesmo quantas porções. O que realmente conta é a somatória de todo o carboidrato que comemos durante o dia – a famosa conta do que foi ingerido e do que foi gasto.

Nem sempre sabemos ao certo quantas calorias consumimos e exatamente de quanto precisamos para nos mantermos vivos. Uma conta aproximada pode ajudar: cerca de 30 calorias por quilo de peso. Isso significa que uma pessoa de 70 quilos deve consumir, em média, 2.100 calorias por dia.

Vale lembrar que cerca de 20% dessas calorias vão diretamente para as sinapses, que são as comunicações entre os neurônios. Por isso, ficar sem carboidrato pode gerar danos ao cérebro. Outros 10% são consumidos pelos rins, que filtram todos os líquidos do corpo para formar a urina e eliminá-la. Já o coração usa 7% para bombear o sangue para todo o corpo, enquanto ossos e músculos precisam de quase 30% de nossa energia.

O fígado consome 27% da energia total, e é ele que garante que tenhamos energia estocada para as horas de sono, por exemplo, quando ficamos em jejum – o restante, cerca de 18%, fica para o resto dos órgãos e funções orgânicas.

“Não importa a hora em que se come, nem mesmo quantas porções. O que realmente conta é a somatória de todo o carboidrato que comemos durante o dia.”

De fato, conforme vai chegando perto da hora de dormir, nosso relógio biológico começa a desacelerar, mas isso não significa que não precisamos mais de energia para seguir com as atividades vitais do nosso corpo durante o sono.

Então, comer um prato de massa com molho de tomate no jantar é saudável e leve, até porque, entre todos os nutrientes, o de mais fácil digestão é o carboidrato. Para quem faz atividade física pela manhã, é sempre bom estar com os estoques preparados para gastar energia no dia seguinte.

Portanto, é uma loucura essa ideia de que se comermos macarrão no jantar vamos acordar com dois quilos a mais. Enquanto você dorme, seu corpo trabalha – e para isso ele precisa de energia. Sem exageros, sem excesso, mas com equilíbrio, sempre.

Márcio Atalla, formado em Educação Física, especializou-se em treinamento de alto rendimento e fez pós-graduação em Nutrição. Depois de colocar celebridades em forma no quadro “Medida Certa”, do Fantástico, ele agora quer melhorar o bem-estar de uma cidade inteira comandando um programa de qualidade de vida em Jaguariúna (SP). Para ele, o que faz a diferença para ter uma vida mais saudável é ser fisicamente ativo e se alimentar bem, sem excluir nenhum alimento – muito menos os carboidratos.